News

Lábios

Muito tem se falado sobre tratamento tridimensional na dermatologia. No envelhecimento da face, a reabsorção óssea, remodelamento dos compartimentos de gordura, flacidez de pele e alterações musculares são os principais responsáveis pelas alterações que observamos, como formação de sulcos, bolsas proeminentes, papada e perda do contorno da face. Com estas alterações, as regiões anteriormente convexas de luz tornam-se côncavas e de sombra.

Uma das áreas que sofre alterações com o passar dos anos são os lábios que, com a perda de volume e projeção, têm seu contorno menos demarcado e uma consequente retificação. Além disso, pela atividade muscular repetida, formam-se as rugas periorais (ao redor dos lábios), os chamados “códigos de barras”.  Na atual sociedade, beleza e jovialidade estão diretamente relacionadas à saúde e bem-estar. Padrões de beleza tornam-se ideais comuns, e um bom exemplo disso são lábios volumosos e bem demarcados. Atualmente, dispomos de preenchedores faciais específicos para os lábios e rugas periorais. Com eles, além de recuperar volume, projeção e contorno a quem os perdeu, é possível trazer esse tipo de benefício a quem os deseja. Entretanto, não podemos esquecer que, para um resultado harmonioso, são necessários conhecimentos técnicos e bom-senso estético. No geral, além de volume, projeção e contornos (incluindo o “arco do cupido”) bem definidos, sugere-se uma regra na qual o lábio superior deve conter um terço da massa labial total, e o lábio inferior, dois terços.

A avaliação dos pacientes é individualizada, considerando formato do rosto, estruturas e biotipo. A partir daí, para resultados mais naturais e seguros, utilizamos os preenchedores de ácido hialurônico específicos para os lábios e região perioral. Buscamos recuperar, assim, os antigos formatos ou dar efeitos de aumento e definição sutis, respeitando a suavidade da região e as particularidades de cada paciente. A aplicação é rápida e os resultados já são imediatamente perceptíveis após o procedimento. A durabilidade média é de 18 meses e as pacientes podem retomar a suas atividades habituais imediatamente.

Leia mais »

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *